Coming Up Sun 12:00 PM  AEDT
Coming Up Live in 
Live
Portuguese radio
SBS EM PORTUGUÊS

As vozes do protesto em volta de Bolsonaro e o Prémio Camões para Chico Buarque

Premiados com o Camões protestam pelo presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, demorar a assinatura do prémio para Chico Buarque.

O caso começou nesta semana quando, à porta do Palácio do Planalto, em Brasília, um repórter perguntou a Jair Bolsonaro: Presidente, quando é que assina o diploma de atribuição do Prémio Camões e Chico Buarque?

“É segredo”, começou por responder Bolsonaro, para depois acrescentar, em tom entre ironia e sarcasmo: “Até 31 de Dezembro de 2026, eu assino.”

A data aponta para o final daquele que seria o segundo mandato presidencial, caso o atual Presidente quisesse e conseguisse ser reeleito em 2022.

Na verdade, a decisão de Bolsonaro terá de ser tomada até Abril do próximo ano, altura em que a entrega do mais relevante prémio literário da língua portuguesa deve ser entregue, em ato paralelo , conforme a tradição, à realização da cimeira luso-brasileira.

É uma entrega que tem na praxe decorrer com pompa de Estado, a presença dos dois presidentes, que devem discursar, tal como o distinguido.

Não é segredo que a escolha de Chico como vencedor do Prémio Camões, atribuído em conjunto pelos governos de Portugal e do Brasil desde 1989, causou mal-estar no Governo de Brasília.

O galardão é atribuído por um júri composto sobretudo por académicos de vários países lusófonos, mas cabe aos governos dos dois países a sua atribuição.

Escreve a Folha de São Paulo que a ala mais moderada no Executivo brasileiro tem tentado persuadir Bolsonaro a assinar o documento de entrega do prémio para não criar mais um foco de atrito internacional. Porém, o sector mais ideológico, com o qual Bolsonaro parece estar especialmente alinhado, defende que a recusa do Presidente marcaria uma posição forte tanto em relação ao ativismo político de Chico, como face à despesa pública com a Cultura.

Não é a primeira vez que a entrega do Prémio Camões está envolvida em polémica por causa do alinhamento ideológico do Governo brasileiro.

Em 2017, na cerimónia de entrega do prémio a Raduan Nassar, que fez discurso àspero contra o processo de impeachment a Dilma, levando o então ministro da Cultura, Roberto Freire, a defender o Governo de Michel Temer.

Chico Buarque é conhecido, e também demonizado por parte da sociedade brasileira, pela sua proximidade em relação ao PT.

Recentemente, o compositor foi visitar o ex-Presidente Lula da Silva a Curitiba, onde está preso há mais de um ano, e defendeu a sua libertação.

Em Lisboa, através do Ministério da Cultura, o Governo português limitou-se a garantir que a entrega do prémio a Chico Buarque não está minimamente em causa.

Também está garantido que o presidente português, Marcelo Rebelo de Sousa, fã de sempre de Chico, quer participar.

Na última quinta-feira, o moçambicano Mia Couto, Prémio Camões em 2013, precisamente ao aterrar em Lisboa, vindo do Rio de Janeiro, fez questão de apelar a uma posição conjunta de protesto por parte dos galardoados com o Camões.

Este apelo chegou de imediato a Germano de Almeida, o cabo-verdiano distinguido no ano passado, que se pronunciou com ironia em apoio a Chico.

Ao mesmo tempo, em Lisboa, Hélia Correia, premiada em 2015, colocava-se na frente da posição conjunta.

Depois destes três premiados, sabe-se que vários outros, designadamente Manuel Alegre, Lobo Antunes, Maria Velho da Costa e Eduardo Lourenço, entre outros, se juntam à posição comum.

Entre Chico Buarque e Jair Bolsonaro há um oceano de distância, como se ouve na canção "Tanto Mar". 

Siga-nos no FacebookTwitter e Instagram

 

Coming up next

# TITLE RELEASED TIME MORE
As vozes do protesto em volta de Bolsonaro e o Prémio Camões para Chico Buarque 13/10/2019 07:00 ...
Grupo hoteleiro português Vila Galé desiste de resort na Bahia para evitar conflito com tribo indígena 21/11/2019 03:47 ...
Governo anuncia novos vistos e lista de ocupações para a Austrália regional 20/11/2019 04:17 ...
"Não foi apenas um pesadelo para os estudantes, foi o nosso pior pesadelo também. Não queríamos que a escola fechasse," diz dono 19/11/2019 09:45 ...
'A reputação da Austrália sofre' 19/11/2019 09:20 ...
"Vi o aluno se tornar um produto" 19/11/2019 19:50 ...
“Ofereciam o curso como uma porta de entrada para a imigração,” diz ex-funcionário da escola Ad Astra, de Melbourne 19/11/2019 17:08 ...
“Quando a escola fechou, fiquei feliz porque alguma ação foi tomada” 18/11/2019 21:41 ...
Após uma década, Jorge Ben Jor volta à Austrália em março de 2020! 17/11/2019 01:15 ...
Bombeiros em Nova Gales do Sul se preparam para mais incêndios perigosos neste domingo e no meio da semana que vem 17/11/2019 01:54 ...
View More