Coming Up Wed 12:00 PM  AEST
Coming Up Live in 
Live
Portuguese radio
SBS EM PORTUGUÊS

Carlos Ribeiro, dos Excesso: “Vivi o sonho da música, mas sou mais feliz no anonimato, na Austrália ”

23 years after Excesso disbanded, Carlos Ribeiro is a happy executive housekeeping manager based in Brisbane Source: supplied/Carlos Ribeiro

A SBS em português descobriu que Carlos Ribeiro, um dos cinco rapazes da primeira e mais famosa boyband portuguesa de todos os tempos – os Excesso – vive na Austrália há já 12 anos. Primeiro, passou uma larga temporada em Melbourne, tendo-se mudado para Brisbane durante a pandemia da Covid-19. Quisemos saber tudo sobre o passado de estrelato nos anos 90 com os Excesso, mas também como está a vida de Carlos agora que trabalha na área da hotelaria em Down Under. Apesar de confessar que fazer parte dos Excesso “foi a realização de um sonho”, Carlos garante que vive hoje “muito mais feliz”.

Entre os seus colegas dos Excesso – o Gonzo, o Duck, o Melão e o João Portugal - Carlos tem a fama de ter sido sempre o mais calmo e reservado da banda. Mas o que nós descobrimos é que, além disso, Carlos é também um homem que se considera “itinerante” e que tem em si a coragem de viver longe do “nosso Portugal” (como gosta de dizer) como tantos portugueses que vivem deste lado do mundo.

Já muito enraizado na vida e cultura australianas, o cantor não deixa de reforçar algo que é muito importante para ele:

O meu maior orgulho é, antes de ser australiano, ser português

Depois de trabalhar um tempo em Espanha e de viajar pelo mundo, após abandonar os Excesso, Carlos aterrou em Melbourne com um visto temporário para trabalhar na área na qual completou um curso superior ainda em Portugal – gestão hoteleira e turismo.

Carlos deixou um mar de fãs para trás, o frenesim dos concertos e a fama. Hoje, é um emigrante português na Austrália que só quer ter uma vida saudável
Carlos deixou um mar de fãs para trás, o frenesim dos concertos e a fama. Hoje, é um emigrante português na Austrália que só quer ter uma vida saudável
supplied/Carlos Ribeiro

Aos 48 anos, Carlos é tão competente no seu ofício na hotelaria - Gerente Executivo de Housekeeping - como foi bom na música durante o seu tempo de verdadeira popstar nos Excesso. De tal forma que, mal chegou à Austrália, rapidamente conseguiu, não uma, mas duas oportunidades de Sponsorship Visa.

Acabou por ficar uma década em Melbourne, onde diz que tem muitos amigos mas onde foi muito complicado superar a crise da hotelaria durante os três lockdown consecutivos em Victoria:

Deixei Victoria e vim para Queensland por causa do Covid. Sobrevivi ao primeiro confinamento, depois ao segundo confinamento... e a meio do terceiro, pensei: isto não pode continuar assim. Foi quando aceitei uma proposta de trabalho em Brisbane. E aqui estou eu entre Brisbane e a Sunshine Coast, onde trabalho 6 a 7 dias por semana e no resto do tempo vivo uma vida o mais saudável que posso, praticando karaté e fazendo bodyboard

Gonzo, Melão, João Portugal, Carlos e Duck, em plenos anos 90, no pico da sua carreira na banda
Gonzo, Melão, João Portugal, Carlos e Duck, em plenos anos 90, no pico da sua carreira nos Excesso
PolyGram / Universal

Diz que guarda as melhores recordações dos Excesso:

Foi uma loucura fazer parte da primeira, e mais bem sucedida, boyband portuguesa e um dos grupos que mais discos vendeu até hoje no país

Nos anos 90, quando os Excesso enchiam todas as salas de espetáculo por onde passavam, os cinco rapazes da banda davam o ´tudo por tudo´ a cada minuto:

Saltássemos no Coliseu de Lisboa ou saltássemos no palco de uma aldeia pequena no interior, dávamos sempre tudo o que os Excesso tinham para dar

 Carlos acredita até hoje que foi isso que ditou o sucesso da banda:

Éramos sempre os mesmos para todos, independentemente de quem fossem os nossos fãs

Os Excesso que, em apenas três anos, conseguiram ser a primeira boyband portuguesa e também uma das bandas com mais discos vendidos em Portugal
Os Excesso que, em apenas três anos, conseguiram ser a primeira boyband portuguesa e também uma das bandas com mais discos vendidos em Portugal
PolyGram / Universal

Os Excesso duraram apenas três anos (de 1997 a 1999), sempre a mil à hora, num ritmo tão forte e alucinante que nem os próprios elementos da banda tinham tempo para parar e perceber o que se passava à sua volta:

Tínhamos em média mais de 200 concertos por ano, cerca de três concertos por semana. Sem parar, entre viagens, entrevistas, hotéis, presenças na televisão, ensaios, sessões de assinatura de autógrafos, etc...

Diz Carlos que foi um período de grandes “altos e baixos” entre os membros da banda:

Éramos todos muito novos e vivíamos uns em cima dos outros nos carros, nos palcos, nos hotéis, nos ensaios. Era muita pressão e tudo conta para o ´saco´ da relação

Contudo, olhando para trás, Carlos considera que os cinco rapazes superaram a pressão:

Mesmo debaixo de uma pressão e cansaço extremos, superamos todas as dificuldades e demo-nos bem. Tínhamos uma boa relação e ainda hoje mantemos contacto

Muita gente questiona o porquê de Carlos ter sido o primeiro a sair dos Excesso. Mas ele garante que, embora tenha sido uma das decisões mais difíceis que tomou na vida, houve boas razões para desistir e deixar os colegas e o estrelato para trás: “Há uma lista de razões pelas quais eu abandonei os Excesso. Não poderei falar sobre todas, mas posso dizer que uma delas foi sentir-me explorado pelo negócio das produtoras, discográficas e até das televisões, a quem dávamos audiências incríveis sem nunca termos um retorno justo a não ser prejuízo emocional. Também os jornalistas nos tratavam como se fossemos objetos”

Carlos continua, assertivo e sem grandes remorsos pela sua decisão:

Já não me identificava com o meio artístico no qual estava inserido. Não estou aqui para ser chupista, aliás sou até uma pessoa que gosta de levar uma vida minimalista e frugal. Mas, na época, cansei-me de aturar os caprichos e ilusão do destino de quem estava ao meu redor. Reduzi-me à minha ´significância´ e sai dos Excesso para ser feliz

Apesar de ainda tocar e a cantar em casa, com os seus instrumentos e material de som, Carlos Ribeiro está totalmente investido na sua carreira na hotelaria.
Apesar de ainda tocar e a cantar em casa, com os seus instrumentos e material de som, Carlos Ribeiro está totalmente investido na sua carreira na hotelaria.
supplied/Carlos Ribeiro

Mas a nossa entrevista com Carlos foi muito mais longe, por isso não perca e ouça a conversa na íntegra carregando no botão play da imagem que abre este artigo.

Saiba como Carlos se iniciou nas lides da música "ainda na barriga da mãe"; como foi ele que deu o nome de Excesso à banda; e como foi selecionado para fazer parte do grupo no âmbito do concurso televisivo Chuva de Estrelas - na época, apresentado por Catarina Furtado.

Perceba ainda como a avó de Carlos foi uma personagem essencial no arranque da sua vida artística.

Acima de tudo, saiba aqui tudo, e em primeira mão, sobre a possibilidade dos Excesso se juntarem mais uma vez, segundo Carlos: “assim que os astros e as estrelas se alinharem”.

Ouça ainda na entrevista como Carlos vê o fenómeno da fama e do ser-se famoso, bem como as diferenças entre os anos 90 e esta nossa era do TikTok, Photoshop e afins, onde navegar no mundo artístico consegue ser tão diferente, contudo, acredita Carlos: “igualmente ´plástico´, se não mais ainda”.

Por fim, se era fã dos Excesso e já tem saudades de ouvir o Carlos cantar, ouça-o a trautear a sua canção preferida dos Excesso - e também a única que foi autorizado a assinar como sua, bem como a música da cantora Dulce Pontes que, para Carlos, exprime com mestria a emoção, a saudade, o orgulho mas também a grande dificuldade de se ser um português emigrante.

Siga a SBS em Português no FacebookTwitter e Instagram e ouça os nossos podcasts. Escute a SBS em Português ao vivo às quartas e domingos ao meio-dia ou na hora que quiser na nossa página

Coming up next

# TITLE RELEASED TIME MORE
Carlos Ribeiro, dos Excesso: “Vivi o sonho da música, mas sou mais feliz no anonimato, na Austrália ” 17/05/2022 21:16 ...
Voando na grama, Bia Haddad Maia tenta bom desempenho em Wimbledon 28/06/2022 09:02 ...
Portugal está com o desemprego mais baixo dos últimos 19 anos 28/06/2022 01:55 ...
Perda de memória e falta de concentração: os impactos de longo prazo da COVID-19 26/06/2022 05:14 ...
Conferência dos Oceanos da ONU em Lisboa: em defesa do bem mais precioso do planeta 26/06/2022 13:00 ...
Presidente Marcelo celebra 204 mil imigrantes brasileiros em Portugal 26/06/2022 02:48 ...
Notícias da Austrália e do Mundo | 26 de junho de 2022 | SBS Portuguese 26/06/2022 13:48 ...
Um brasileiro e um argentino estão na mira do Benfica 26/06/2022 07:18 ...
Como é envelhecer na Austrália? Portugueses, brasileiros contam como é a vida depois dos 70 26/06/2022 30:09 ...
66% de Portugal em seca extrema mas o abastecimento público está garantido 24/06/2022 03:08 ...
View More