Coming Up Sun 12:00 PM  AEST
Coming Up Live in 
Live
Portuguese radio

Prémio Camões vai para Chico Buarque, um mestre no artesanato das palavras

Até Chico Buarque apareceu em vídeo com os lábios pintados de vermelho para protestar contra o comentário machista de um candidato a presidente em Portugal. Source: Wikipedia Commons

O escritor, poeta, trovador - o criador da Banda - há meio século, Chico Buarque, é agraciado com o prémio Camões, o mais importante da Língua Portuguesa.

Ele é o criador de "Morena de Angola”, a Morena de Angola que leva o chocalho amarrado na canela, e de “Mulheres de Atenas”, uma sátira disfarçada, classicamente vestida:

"Mirem-se no exemplo daquelas mulheres de Atenas

Vivem prós seus maridos, orgulho e raça de Atenas"

Chico Buarque criou “Vai Trabalhar, Vagabundo” que é, tal como “Construção”, um canto ao proletariado e à monotonia da pobreza enleada na burocracia que a mantém pobre.

Chico Buarque, o criador de Cálice, de Tanto Mar e de tanto mais.

Aos 74 anos, a poucas semanas de fazer 75, Chico Buarque, carioca, filho do historiador e crítico literário Sérgio Buarque de Holanda, músico, compositor, cantor, ator, romancista, dramaturgo, coroado com o prémio literário mais importante do universo da língua portuguesa – o Camões, que  distinguiu, na sua 31.ª edição, um ícone da música popular brasileira a quem faltava a definitiva consagração como escritor. 

Chico Buarque é um mestre dos versos cantados, na poesia vasta, lírica, realista, sonhadora e vulgar, popular, única, que nos legou.

Poesia de calor e de samba, poesia de protesto e de amor.

Comentário de Manuel Frias Martins, o professor catedrático da Faculdade de Letras de Lisboa, que presidiu ao júri na Biblioteca Nacional do Brasil no Rio de Janeiro:

“Não estamos a premiar o músico. Estamos a premiar o homem da literatura. Quando falamos de Chico Buarque, esquecemo-nos muitas vezes de que estamos perante um escritor de grande qualidade na poesia, um dramaturgo de grande qualidade e, sobretudo, um romancista de grande qualidade”, afirmou.

O professor Manuel Frias Martins sublinhou a unanimidade do júri à volta do criador da Ópera do Malandro e de Circo Místico, do autor dos romances Estorvo (1991), Benjamim (1995), Budapeste (2003), Leite Derramado (2009) e O Irmão Alemão (2014), do letrista e compositor com 49 discos gravados, do argumentista e co-argumentista em cinco filmes:

“A obra dele é transversal a vários géneros literários e reconhecida em todos os países de língua portuguesa por várias gerações”, sublinhou ainda Frias Martins.

Comentário eufórico do editor de Chico:

"O prémio deste ano vai para cinco romances magistrais da língua portuguesa e para um artista que usa em vários campos (música, teatro e literatura) a liberdade para a melhor arte e vice-versa."

Francisco Buarque de Hollanda, conhecido simplesmente como Chico Buarque, sucede ao cabo-verdiano Germano de Almeida.

O anúncio de que o brasileiro é o vencedor da 31.ª edição do maior prémio da criação em língua portuguesa suscita múltiplas leituras.

A primeira e óbvia é a comparação com Bob Dylan, Nobel em 2016.

“Na reunião, foi referido o exemplo do Dylan, mas isso não pesou”, garante Frias Martins.

Clara Rowland, professora da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa, que também fez parte do júri, reforça essa ideia, acrescentando que a decisão de dar o prémio ao músico e escritor brasileiro não só foi unânime como “entusiástica”, e justifica:

“O que pesou foi o reconhecimento da importância fundamental do Chico. É uma das poucas figuras comuns a todo o espaço da língua portuguesa. Poucos na literatura têm o grau de reconhecimento que o Chico tem. Pareceu-nos ainda que um nome como o Chico traz muita vitalidade ao Prémio Camões.”

Muito antes de se tornar mundialmente conhecido pelas suas canções, Chico Buarque sonhava ser escritor, enquanto ia assinando pequenos contos e crónicas no colégio paulista onde estudava, mas a música impôs-se a partir do momento em que ouviu João Gilberto.

Aliás, uma das primeiras canções que escreveu, Canção dos Olhos (1959), veio a defini-la mais tarde como “uma cópia deslavada” do mestre da bossa nova.

A partir do sucesso de A Banda, em 1966, Chico foi-se impondo como criador de canções, a ponto de ser hoje um dos músicos vivos que mais ensaios, estudos, análises e edições críticas tem suscitado, no mundo académico e fora dele.

Segue abaixo a relação completa de vencedores do Prêmio Camões desde a sua criação:

1989 - Miguel Torga (Portugal, 1907-1994);
1990 - João Cabral de Melo Neto (Brasil, 1920-1999);
1991 - José Craveirinha (Moçambique, 1922-2003);
1992 - Vergílio Ferreira (Portugal, 1916-1996);
1993 - Rachel de Queiroz (Brasil, 1910-2003);
1994 - Jorge Amado (Brasil, 1912-2001);
1995 - José Saramago (Portugal, 1922);
1996 - Eduardo Lourenço (Portugal, 1923);
1997 - Pepetela (Angola, 1941);
1998 - António Cândido (Brasil, 1918-2017);
1999 - Sophia de Mello Breyner (Portugal, 1919-2004);
2000 - Autran Dourado (Brasil, 1926);
2001 - Eugénio de Andrade (Portugal, 1923-2005);
2002 - Maria Velho da Costa (Portugal, 1938);
2003 - Rubem Fonseca (Brasil, 1925);
2004 - Agustina Bessa-Luís (Portugal, 1922);
2005 - Lygia Fagundes Telles (Brasil, 1923);
2006 - José Luandino Vieira (Angola, 1935);
2007 - António Lobo Antunes (Portugal, 1942);
2008 - João Ubaldo Ribeiro (Brasil, 1941-2014);
2009 - Arménio Vieira (Cabo Verde, 1930);
2010 - Ferreira Gullar (Brasil, 1930-2016);
2011 - Manuel António Pina (Portugal, 1943–2012);
2012 - Dalton Trevisan (Brasil, 1925);
2013 - Mia Couto (Moçambique, 1955)
2014 - Alberto da Costa e Silva (Brasil, 1931)
2015 - Hélia Correia (Portugal, 1949)
2016 - Raduan Nassar (Brasil, 1935)
2017 - Manuel Alegre (Portugal, 1936)
2018 - Germano Almeida (Cabo Verde, 1945)
2019 - Chico Buarque (Brasil, 1944)

Siga-nos no FacebookTwitter e Instagram

Coming up next

# TITLE RELEASED TIME MORE
Prémio Camões vai para Chico Buarque, um mestre no artesanato das palavras 27/05/2019 05:39 ...
Arquivo SBS: Timorenses da Austrália vão a Tóquio pedir compensação por crimes de guerra 11/06/2021 13:12 ...
Regina Casé fala da estreia na Austrália, de Três Verões, filme sobre a Lava Jato e luta de classes 10/06/2021 23:52 ...
"Eurostory": a história dos 15 campeonatos europeus de futebol 10/06/2021 06:19 ...
Notícias da Austrália e do Mundo | 9 junho 2021 | SBS Portuguese 09/06/2021 12:56 ...
Porque a Força Policial do Território do Norte atrai tantos brasileiros na Austrália? 07/06/2021 24:27 ...
Mais casos de Covid-19 fazem Reino Unido tirar Portugal da “lista verde” de viagens 06/06/2021 05:55 ...
Copa América: Boicote ou protesto? Seleção brasileira vai viver momento histórico 06/06/2021 13:02 ...
Autoridades em Victoria buscam a origem da variante Delta de Covid-19, altamente infecciosa, no estado 06/06/2021 03:09 ...
Espanha e Portugal oficializam candidatura conjunta ao mundial de 2030, antes de novo empate entre as duas seleções 06/06/2021 09:02 ...
View More