Coming Up Sun 12:00 PM  AEDT
Coming Up Live in 
Live
Portuguese radio

'Deixa a música te levar': o funk pelos olhos da gringa italiana

Maurizia Tinti estudou o movimento do funk carioca do morro para o asfalto, das favelas para as paradas internacionais Source: supplied

Para a jornalista italiana Maurizia Tinti, o funk brasileiro é mais do que uma expressão cultural dos moradores da favela, é o seu retrato, a sua tentativa de fuga da invisibilidade social.

Foram dez meses de Rio de Janeiro, dos bailes funks, das festas no asfalto, das visitas às favelas, das subidas e descidas nos morros cariocas. 

Maurizia Tinti estava no Brasil durante um dos momentos históricos do funk nacional, em 2011 quando a ‘música das favelas’ começava a descer dos morros cariocas e chegar ao asfaltos, aos bairros da Lapa e ao centro da cidade.

O ritmo, as letras, a história por trás da música do morro, levaram a jornalista italiana da pequena cidade de Faenza  (58 mil habitantes) a embarcar numa viagem de estudos às raízes culturais e sociais do funk do Rio de Janeiro. 


Resumo da entrevista

  • O funk, estilo musical oriundo das favelas do Rio de Janeiro, é um dos maiores fenômenos culturais de massa do Brasil.
  • A jornalista Maurizia Tinti pesquisou a abordou a música funk como objeto de estudo em sua dissertação de final de curso de intercâmbio pela Universidade Estadual do Rio de Janeiro. 

Logo no início da sua pesquisa, Maurizia viu que a música das favelas, rotuladas na época como música de ‘apologia ao crime e ao sexo’ estava levando alguns de seus principais expoentes à prisão. O ano era 2011, quando o gênero começava a invadir as ruas da cidade — do morro ao 'asfalto'.  

Maurizia Tinti
Maurizia Tinti (terceira da esquerda para a direita) no Bar do Tonhao, Morro do Pinto, Rio de Janeiro
supplied

“Porque os músicos, os funkeiros, vão para a prisão por cantar? Eu me perguntei o que é essa música, o que ela transmite, e foi assim que decidi aprender o funk, a dança, as letras que falavam abertamente de sexo e violência,” diz Maurizia, hoje baseada em Melbourne e produtora de conteúdo da SBS em Italiano.

Eles me diziam que essa é a realidade que eu vivo aqui [na minha favela] eu não estou incitando ou fazendo apologia ao crime, eu conto o que acontece no morro, o meu dia a dia 

Maurizia esteve no primeiro ‘Rio Parada Funk’, em 2011, considerado o maior baile funk do mundo e um dos primeiros eventos a reconhecer a força cultural e jovem do movimento.

"O ‘Rio Parada Funk’ pode ser pensado como caso emblemático das táticas que os funkeiros adotaram para enfrentar a marginalização e criminalização que o próprio movimento vinha sofrendo desde os anos 90’," diz Maurizia.

O estudo de campo gerou duas teses de conclusão de curso de intercâmbio da Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ): Sexo e sexualidade na cena musical do funk carioca contemporâneo e Dos bailes no morro à parada no centro, os dois trabalhos foram publicados em italiano na Revista Dada

Maurizia Tinti_Vidigal
Maurizia Tinti no Morro do Vidigal: dez meses no Brasil estudando o movimento funk
supplied

Maurizia também se aprofundou na música, na batida do funk, na dança e na sensualidade de seus movimentos. Ela aprendeu as letras de várias músicas e a dançar funk e cita o Rap da Felicidade e Tá Tarada, consideradas hinos do funk, como suas composições favoritas e entre as mais expressivas do movimento.

Complexo do Alemao
Crianças brincam em uma pequena praça na favela Complexo do Alemão. O Complexo é uma das maiores favelas no Rio de Janeiro
Getty

“As pessoas falam que o brasileiro tem o ritmo musical no sangue mas não é só isso, ele tem uma atitude de se deixar levar completamente pela música, deixar o corpo se mexer sem preocupação. Eu amo dançar, mas sempre tem algum limite nos movimentos, na cabeça. Para dançar o samba, ou o funk carioca, você tem que esquecer tudo e deixar o som te levar, depois de 4 horas dançando você sai dali uma outra pessoa,” explica Maurizia, que compara a dança com um ritual expiatório onde as pessoas deixam aflorar os seus sentimentos.

Maurizia Tinti_Dada
Estudos foram publicados na revista italiana de antropologia Dada
supplied

Outro ponto importante desse processo de entrega à música, segundo Maurizia, é o seu parceiro na dança.

“O funk é um jogo com um parceiro, com quem você dança, apesar da sensualidade, é  um relacionamento de grande respeito. O fato de eu ser uma gringa, uma italiana, que não sabia dançar como eles, isso não era um problema, era algo mais como ‘estamos aqui, estamos juntos’.”

Siga a SBS em Português no FacebookTwitter e Instagram

 

Coming up next

# TITLE RELEASED TIME MORE
'Deixa a música te levar': o funk pelos olhos da gringa italiana 21/11/2020 19:47 ...
COVID-19 na Austrália hoje: OMS sugere restrições 'sob medida' com a variante ômicron registrada em mais países 02/12/2021 02:21 ...
COVID-19 na Austrália hoje: NSW aumenta multa para violação de quarentena e registra sexto caso da variante ômicron 01/12/2021 02:07 ...
Frente à SIDA/AIDS, por entre vitórias e derrotas 01/12/2021 03:49 ...
Notícias da Austrália e do Mundo | 1º de dezembro de 2021 | SBS Portuguese 01/12/2021 16:34 ...
Professor Costa David acerca dos exames HSC: "Alunos que falam português em casa a 100% conseguem as melhores notas" 30/11/2021 10:05 ...
Austrália de luto pela morte do ator David Dalaithngu, reconhecido internacionalmente e ícone da cultura indígena australiana 30/11/2021 03:00 ...
COVID-19 na Austrália hoje: Austrália adia reabertura de fronteiras e Gabinete Nacional se reúne para discutir Ômicron 30/11/2021 02:06 ...
Uma a cada três pessoas que trabalham no parlamento australiano já sofreu algum tipo de assédio sexual no local 30/11/2021 03:47 ...
Variante Ômicron da COVID-19: Mais um caso em NSW, seis no total na Austrália. Adiada reabertura das fronteiras para 15 de dezembro 30/11/2021 04:41 ...
View More