SBS em Português

África será destaque da Bienal de Arquitetura de Veneza 2023

SBS em Português

Ali Qadeer and Adrian Blackwell are two of a larger group of Canadians who created Architects Against Housing Alienation, which has been chosen to exhibit at the Venice Biennale 2023.

Os canadenses Ali Qadeer e Adrian Blackwell criaram o projeto de habitação acessível 'Architects Against Housing Alienation' para a Bienal de Veneza 2023


Published 14 June 2022 at 11:51am
By Francisco Sena Santos
Source: SBS

Este 2022 é ano de Bienal de Arte em Veneza, vai até novembro, é considerada como a mais destacada vitrina sobre a arte contemporânea criada nas diferentes latitudes do nosso planeta. Mas acaba de ser lançada a Bienal do próximo ano: depois da Arte Contemporânea, o foco é sobre a Arquitetura e a curadora, uma arquiteta social, Lesley Loko.


Published 14 June 2022 at 11:51am
By Francisco Sena Santos
Source: SBS


Lesley Loko tem dupla nacionalidade, ganesa e escocesa, mas assume-se maioritariamente africana, ganesa.

Lecciona em londres, em Chicago e em Joanesburgo, tem por base Accra, a capital do Gana, onde dirige – uma academia, o Instituto Africano para o Futuro.

Este foco tem tudo a ver com o que ela acaba de explicar como tema para a bienal de arquitetura de veneza - no ano que vem 2023: Laboratório do Futuro.

Advertisement
E o que ela apresentou dá que pensar: começou por constatar que o mundo hoje está menos estável e seguro não apenas do que estava há 3 anos mas – do que estava há 3 meses.

Há escalada de tensões entre nações e povos, sente-se cada vez mais nós de um lado e os outros – de outro lado.

Há tensões geopolíticas e em várias regiões do mundo cresce a tensão (de que muitos ainda não se aperceberam) criada pelas alterações climáticas

A curadora Lesley Loko pretende que a Bienal de Arquitetura no ano que vem seja uma ocasião – prolongada, 6 meses - para refletir, recriar, reconstruir o modo como desejamos viver

Ela insiste: os arquitetos, os urbanistas os sociólogos precisam focar em cuidar dos desejos das pessoas – aquilo a que aspiram, aquilo de que necessitam

Nota que, provavelmente, em muitos casos, coisas muito simples – pode ser mais janelas ou um jardim ou uma horta perto de casa

Lesley Loko propõe – e quer fazê-lo na Bienal do ano que vem olhar o mundo – e pensá-lo – a partir da lente africana. Ela, africana, assume:

África costuma ser exemplo de tudo o que a Europa não quer ser: é pobre, é caótica, é corrupta, é negra no entanto – no sentido antropológico – todos somos africanos – todos descendemos de África – é lá que apareceram os primeiros seres humanos
Se é em África que convergem e se fundem as questões de recursos, de desigualdade, de raça, também de medo e tambem de esperança.

Então olhemos para África como ponto de partida para pensar a resolução de problemas.

Há um exemplo, o Pritzker deste ano, ou seja o Nobel da arquitetura deste ano.

Francis Kere (um arquiteto do Burkina Faso) que nasceu numa aldeia sem eletricidade, sem água canalizada e sem esgotos, com casas e escolas (poucas) expostas a calor abrasador e ele,  em harmonia com a natureza, com persistente vontade de melhorar a vida  das pessoas tratou de estudar soluções simples para dar mais conforto – mais bem estar – às pessoas, com baixíssimos custos, com recurso a materiais locais – conseguiu tanto que foi premiado com a maxima distinção da arquitetura.

Então – propõe a curadora da Bienal de Arquitetura de Veneza 2023:

"Tratemos de analisar as soluções encontradas pelos inovadores e para melhor vida das pessoas – particularmente as mais pobres."

Ela insiste – o mundo que passa por ser rico tem demasiada infelicidade – precisa de reflexão, reinvenção, reconstrução.

Siga a  no  e  e ouça . Escute a  ao vivo às quartas e domingos ao meio-dia ou na hora que quiser na .




Share